Um problema que alcança o bem-estar emocional, psicológico e social. As pessoas com esse problema têm medo de participar de atividades normais do cotidiano que as levem muito longe de um banheiro.

Incontinência Urinária pode afetar pessoas de todas as idades, sexos, em todos os níveis sociais e econômicos. Estima-se que entre 15% a 30% das pessoas acima de 60 anos que vivem em ambiente doméstico apresentem algum grau de incontinência.

Mulheres têm probabilidade 2 vezes maior que os homens de apresentar esta condição.

Importante:

o problema não precisa ser aceito como consequência normal do envelhecimento. Incontinência Urinária tem tratamento!

Para entender melhor:

A urina é formada por água e resíduos removidos pelos rins. A urina excretada pelos rins desce por um par de tubos, chamados de ureter, até chegar na bexiga. A bexiga é um reservatório similar a um balão que armazena urina. Assim como um balão, a bexiga é elástica, podendo ser enchida e esvaziada. Na maioria das pessoas existe completo controle sobre esse armazenamento e esvaziamento, ou seja, a pessoa permite um enchimento de aproximadamente 400 ml e depois esvazia a bexiga em um local adequado, sem que ocorram perdas. A urina deixa a bexiga por um outro canal chamado de uretra.

Para esvaziar a bexiga é necessária uma coordenação entre o músculo da bexiga e os músculos que fecham a uretra (como se fossem uma torneira). Estes músculos são chamados de esfíncteres e estão localizados na base da bexiga e na parede da uretra. Quando seu esfíncter relaxa, ele libera a passagem de urina. No mesmo momento o músculo da bexiga contrai, expulsando a urina para fora da bexiga. Quando você termina de urinar, os esfíncteres se fecham e a bexiga para de contrair.

O mecanismo parece simples, mas para que ele funcione adequadamente, é necessário que uma complexa rede de neurônios e músculos trabalhem em total sintonia, caso contrário a micção ou o armazenamento de urina se tornam comprometidos.

Incontinência Urinária de Esforço

É a perda de urina quando a pessoa faz esforços com o abdômen, como: tossir, espirrar, correr, rir, pegar peso, levantar ou até mesmo andar.

Ocorre devido a uma deficiência no suporte vesical e uretral que é feito pelos músculos do assoalho pélvico ou por uma fraqueza ou lesão do esfíncter uretral.

Incontinência Urinária por Urgência

É a sensação de que não será possível chegar ao banheiro, um súbito desejo de urinar que pode ou não ser controlado, e algumas vezes, a pessoa perde urina sem nenhum aviso.

A Incontinência Urinária por Urgência acontece quando a bexiga está hiperativa, ou seja, contrai sem o seu comando ou desejo de que ela faça isso. A bexiga pode tornar-se hiperativa devido uma infecção urinária que irrita a mucosa da bexiga ou por alterações nos nervos que normalmente controlam a bexiga.

Incontinência Urinária Mista

A Incontinência Urinária Mista é uma combinação das duas condições anteriores.

Incontinência Urinária por Transbordamento

Ocorre quando a bexiga não é esvaziada por longos períodos, tornando-se tão cheia, que a urina simplesmente transborda. Isso pode acontecer quando existe uma diminuição da sensibilidade da bexiga (você não percebe que a bexiga está cheia), quando existe uma fraqueza do músculo da bexiga ou obstrução na uretra que dificulta o esvaziamento normal.

A principal causa de incontinência por transbordamento é um aumento da próstata com obstrução da uretra. Por essa razão, este tipo de incontinência é mais comum no homem. Fraqueza do músculo da bexiga e diminuição da sensibilidade pode ocorrer em ambos, homens e mulheres, mas isso é mais comum em pessoas com diabetes, uso crônico de álcool e outros problemas que levem à diminuição da função neuronal.

A principal causa de incontinência por transbordamento é um aumento da próstata com obstrução da uretra. Por essa razão, este tipo de incontinência é mais comum no homem.

Fraqueza do músculo da bexiga e diminuição da sensibilidade pode ocorrer em ambos, homens e mulheres, mas isso é mais comum em pessoas com diabetes, uso crônico de álcool e outros problemas que levem à diminuição da função neuronal.É a perda de urina que ocorre durante o sono.

Importante:

Quando o paciente apresenta duas ou mais causas de incontinência, cada causa deve ser encontrada e tratada apropriadamente.

Causas:

Infecção urinária ou vaginal
Efeito colateral de medicamentos
Constipação
Fraqueza de certos músculos da região pélvica
Obstrução da Uretra por aumento da próstata
Doenças envolvendo nervos e/ou músculos
Conseqüência de algumas cirurgias

Outras causas de duração mais prolongada, ou até mesmo permanente:

hiperatividade do músculo da bexiga,

fraqueza dos músculos que seguram a bexiga no lugar,

fraqueza no esfíncter uretral (músculo que circundam a uretra),

problemas congênitos,

aumento da próstata,

lesões da coluna espinhal,

cirurgias ou doenças envolvendo nervos e/ou músculos (esclerose múltipla, distrofia muscular, poliomielite e acidente vascular cerebral)

Em muitos casos, vários fatores estão associados como causa da incontinência.

Dica:

Cada causa necessita de um tratamento específico, quando for ao especialista leve:

Uma lista com todas as medicações que você está tomando;

As datas e resultados de exames e cirurgias relacionados com a bexiga e um diário miccional.

Tratamentos

Terapia comportamental e tratamentos conservadores

São orientações sobre o funcionamento da bexiga e da musculatura pélvica, mudanças comportamentais no hábito urinário e exercícios passivos e/ou ativos para a musculatura do assoalho pélvico.

Estes exercícios visam fortalecer o esfíncter uretral para diminuir as perdas. Alguns exercícios são realizados com auxílio de eletroestimulação, que também tem ação sobre os nervos do assoalho pélvico, podendo ajudar pacientes com bexiga hiperativa.

Medicamentos

Existem medicamentos para relaxar a musculatura da bexiga (diminuir a hiperatividade) ou para aumentar o tônus dos esfíncteres.

Cirurgias

Existem várias cirurgias para o tratamento da incontinência urinária. No entanto, esta cirurgia deve ser individualizada e realizada para cada caso específico. A realização de uma cirurgia não adequada pode piorar o problema. Por isso, é fundamental procurar um e informar-se sobre todos os riscos e benefícios que o tratamento cirúrgico pode lhe oferecer.

Outras opções

Alguns materiais podem ser injetados na uretra aumentando a resistência uretral à urina. Apesar de ser um procedimento relativamente simples, não deixa de ser um procedimento cirúrgico, necessitando de todos os cuidados do mesmo.

Marca-passo da bexiga

Essa terapia é chamada de Interstim e consiste no implante de um marca-passo próximo aos nervos que vão para a bexiga. Esta tecnologia estará disponível em breve no Brasil.