Câncer de Rim

Home | CÂNCER UROLÓGICO | Câncer de Rim

 

O Câncer de Rim representa cerca de 2% de todos os diagnósticos de câncer em todo o mundo. Os homens têm maior probabilidade de diagnóstico de cancro do rim que as mulheres. A maioria das pessoas são diagnosticadas entre os 60 e os 70 anos.

O Câncer de Rim é o crescimento de células malignas (um tumor) nos rins. O seu nome médico é carcinoma de células renais. Um tumor no rim também pode ser benigno. Câncer de Rim é um termo geral. Existem muitos tipos de tumores no rim e várias fases da doença. O seu tratamento e experiência irão depender das características específicas do tumor. É fundamental tratar sobre a situação específica com o médico.

 

Qual é a função dos rins?

Os rins são dois órgãos em forma de feijão na parte de trás do abdômen que filtram o sangue e produzem urina. São importantes para vários processos do organismo, incluindo regulação da pressão arterial, produção de células do sangue e manter os ossos saudáveis 

Classificação dos diferentes estágios do Câncer de Rim

Existem diferentes estágios do Câncer de Rim. Se o tumor está limitado ao rim e não se espalhou chama-se Câncer de Rim localizado. No Câncer de Rim localmente avançado, o tumor cresceu para fora dos rins para o tecido circundante, e invadiu veias, glândula adrenal ou gânglios linfáticos. Os médicos falam de doença metastática se o câncer tiver se espalhado para os gânglios linfáticos distantes ou para outros órgãos.

Ter um parente de primeiro grau com câncer renal ou ter a pressão arterial elevada, também são fatores de risco potenciais. Certas mudanças de estilo de vida, como parar de fumar e manter um peso saudável, podem reduzir o risco de desenvolver Câncer de Rim.

 

Sintomas

Embora o Câncer de Rim seja geralmente assintomático, cerca de 1 em cada 10 pessoas apresentam sintomas como dor no flanco ou sangue na urina. Estes podem ser sinais de que a doença já progrediu. Algumas pessoas também sofrem dos chamados síndromes paraneoplásicos, que são reações que o corpo pode ter a qualquer tipo de câncer e podem incluir a tensão arterial elevada, perda de peso, febre, anemia, perda de massa muscular e perda de apetite. Os sintomas mais associados ao Câncer de Rim incluem alterações nas enzimas hepáticas e plaquetas sanguíneas. Essas alterações são geralmente descobertas durante os exames e normalmente não causam quaisquer sintomas.

Dor óssea ou uma tosse persistente podem ser sinais de que o câncer se espalhou pelo organismo. Isto é conhecido como doença metastática.

 

Diagnóstico

Os exames imagiológicos são importantes para o diagnóstico e classificação dos tumores renais. As técnicas de imagem mais comuns são ecografia, TAC e ressonância magnética. Nalguns casos, pode ser feita uma biópsia para obter mais detalhes sobre as características específicas do tumor.

 

Exames de imagem com contraste

Depois de um tumor ser detectado, o médico precisará saber se é maligno. Uma ecografia, uma TAC ou ressonância magnética do abdómen e pélvis, com contraste, fornecem informações sobre isso. A TAC e ressonância magnética também mostram:

  • A localização e o tamanho do tumor;
  • Se existem ou não gânglios linfáticos aumentados;
  • Se o tumor se espalhou para órgãos vizinhos, como a glândula suprarrenal, fígado, baço ou pâncreas;
  • Se o trato urinário foi afetado pelo tumor;

Para um TAC ou ressonância com contraste, é administrado um meio de contraste através de uma intravenosa, geralmente no braço. O meio de contraste destaca as veias e artérias, dando-lhes uma cor diferente nas imagens tiradas durante o exame. Este tipo de exame permite a análise do tumor pelo radiologista. Os resultados orientarão o tratamento que vai receber.

Se for alérgico ao meio de contraste, será realizada uma ressonância magnética ou uma TAC sem contraste.

Se o médico pensar que o câncer se espalhou para os pulmões, terão de ser realizados mais exames, como uma TAC. Assim como no caso de o câncer ter se espalhado para os ossos ou cérebro, poderá ser necessário realizar exames se tiver sintomas como dor óssea ou crises epiléticas.

 

Biópsia do tumor renal

Durante uma biópsia do tumor renal, são colhidas uma ou mais amostras de tecido de tumor. Primeiro receberá uma anestesia local. Em seguida, o médico insere uma agulha através da pele e usa a ecografia ou a TAC para localizar o tumor. As amostras de tecido são analisadas pelo patologista para ajudar a determinar qual o tratamento futuro.

A biópsia renal não é procedimento padrão para o diagnóstico de Câncer de Rim. Pode ser necessária uma biópsia no caso de:

  • Os resultados das imagens não forem suficientemente claros
  • Ter um tumor pequeno que possa ser tratado com vigilância ativa
  • Ter um tumor pequeno que possa ser tratado com ablação por radiofrequência ou crioterapia

As biópsias podem causar sangue na urina. Em casos raros, podem causar hemorragias mais graves. A biópsia do tumor renal é geralmente um procedimento inofensivo.

[Fig. 1: Um rim e seu tecido circundante, veias e artérias.]

 

Estágios da doença

Os tumores renais são classificados de acordo com o estágio, subtipo e o grau de agressividade das células tumorais. Esses três elementos são a base para a via de tratamento possível.

 

Sistema de estadiamento

O estadiamento do tumor indica quão avançado o tumor está e se existem ou não metástases nos nódulos linfáticos ou noutros órgãos.

O estádio do tumor renal baseia-se na classificação Tumor, Metástases (TNM). O urologista olha para o tamanho e para a capacidade invasiva do tumor (T) e determina até que ponto está avançado, com base em 4 estádios. também verifica se o tumor já atingiu gânglios linfáticos (N) ou se já se espalhou para outras partes do corpo (M). Se os tumores renais metastatizam, espalham-se geralmente para os pulmões, ossos ou cérebro. As Figuras 1 a 5 ilustram os diferentes estádios da doença.

 

Subtipos tumorais

Após ao estadiamento, é importante o subtipo dos tumores renais. O subtipo é determinado por um patologista e o procedimento é conhecido como análise histopatológica. O especialista examina o tecido do tumor, recolhido durante uma biópsia ou depois de ter sido removido durante a cirurgia. A biópsia renal não é um procedimento padrão no diagnóstico de cancro do rim. Na maioria dos casos, o subtipo do tumor não será conhecido até depois de ser operado.

Existem vários subtipos de tumores renais. A maioria dos tumores renais são carcinomas de células renais (cerca de 80-85%). O subtipo mais comum é o carcinoma de células renais claras (80%), 10% são carcinomas papilares de células renais e 5% carcinomas cromófobos de células renais. Os restantes 5% de carcinomas de células renais incluem o carcinoma do ducto (ou Carcinoma de ducto de Bellini) e uma variedade de carcinomas incomuns e hereditários.

As opções de tratamento são discutidas por uma equipa multidisciplinar de médicos, para encontrar a melhor abordagem para o caso.

 

Tumores benignos

Alguns tumores no rim são não-cancerosos. Estes são conhecidos como tumores benignos do rim. Os mais comuns são oncocitomas e angiomiolipomas.

Os oncocitomas são geralmente diagnosticados após análise histopatológica, porque nem sempre é possível identificá-los claramente através da imagem. As opções de tratamento mais comuns para estes tumores são a nefrectomia parcial e vigilância ativa. Leia mais sobre estas opções de tratamento na secção Cancro do Rim Localizado.

Um angiomiolipoma (AML) é um tumor benigno. É 4 vezes mais provável que ocorra em mulheres. É geralmente diagnosticado durante a realização de uma ecografia, TAC, RMN ou então se o tumor sangrar e provocar sintomas. Embora o AML seja um tumor benigno, o risco de hemorragia espontânea no rim aumenta se ele continuar a crescer. A cirurgia para remover o tumor é recomendada se:

  • Tiver um AML grande (um tumor com mais que 4 cm)
  • For mulher e tiver menos de 45 anos
  • O tumor provocar sintomas
  • For difícil consultar o seu médico em caso de emergência, porque reside longe de um hospital ou tem mobilidade reduzida.

Em geral, um AML é removido com nefrectomia parcial, mas nalguns casos pode ser necessário remover todo o rim. A nefrectomia radical é recomendada em caso de hemorragia grave do tumor.

 

Quistos renais

Algumas massas no rim não são tumores, mas quistos renais. Estes são sacos cheios de fluido localizados no rim e são facilmente reconhecidos numa TAC. Os quistos podem ser malignos. Se este for o caso, eles precisam de ser removidos por cirurgia.

 

Sistema de classificação

O terceiro componente da classificação é uma avaliação da agressividade das células tumorais. O grau nuclear de Fuhrman é o sistema mais usado para determinar esta agressividade. O patologista classifica o tumor em 1 de 4 graus.

Fig. 1: Um tumor renal de estádio I: é um tumor até aos 7 cm, limitado ao rim.

Fig. 2: Os tumores de estádio II ainda estão limitados ao rim, mas são maiores que 7 cm.

Fig. 3: Os tumores de estádio espalharam-se para a veia renal, para o tecido adiposo junto ao rim (gordura perirrenal) ou para a veia cava.

Fig. 4: Os tumores de estádio IV espalharam-se para fora do rim, para além da fáscia renal e para a glândula suprarrenal. Por vezes, um ou mais gânglios linfáticos estão aumentados neste estádio.

Fig. 5: Metástases O Câncer de Rim metastático que pode espalhar-se para os pulmões, ossos ou cérebro.

 

Prognóstico

Após o diagnóstico e classificação, o médico discutirá com o paciente as diferentes opções de tratamento e de acompanhamento. A via de tratamento recomendada baseia-se no TNM, no grau de Fuhrman e no subtipo do tumor. O prognóstico individual também pode ser estimado após a classificação.

 

Tratamento

No tratamento do Câncer de Rim localizado, o médico pode recomendar tratar o câncer com nefrectomia parcial, nefrectomia radical, vigilância ativa, ablação por radiofrequência ou crioterapia. Cada procedimento tem suas próprias vantagens e desvantagens. A escolha do tratamento dependerá das condições do paciente.

Obs: Estas são informações gerais, não sendo específica para necessidades individuais. É fundamental conversar com o médico para realização do diagnóstico e se necessário for, o tratamento adequado.

 
Estas informações foram produzidas pela European Association of Urology [Associação Europeia de Urologia] (EAU) em colaboração com a Secção de Uro-Oncologia (ESOU) da EAU, Grupo de Trabalho sobre Carcinoma das Células Renais da Young Academic Urologists [Jovens Urologistas] (YAU) e European Association of Urology Nurses [Associação Europeia de Enfermeiros de Urologia] (EAUN).
Sigam Dr. Gustavo Cruz também no Instagram @dr.gustavocruz – Jornalista responsável: Daniela Pereira – Mtb/PR 8120 – Direitos reservados.

 

WhatsApp chat